segunda-feira, 11 de abril de 2022

Semeando ideias: A vida perfeita existe?

A vida é feita de momentos. Cada segundo é importante na roda da vida, que gira alegrias, tristezas, euforia, medo, paz, angústia, felicidade, raiva...
Não acredite nas falsas vidas perfeitas da internet, porque isso simplesmente não existe. Não se compare com esses perfis maquiados de fotoshop e vídeos editados. A vida real não é assim; ela é linda, gostosa, mas tem momentos de dor. A natureza é assim. Perfeita em equilíbrio.
Mas isso não pode te fazer desistir de correr atrás dos seus sonhos, pelo contrário. Podemos sim, buscar viver melhor, seguindo sempre na direção do nosso crescimento pessoal e até coletivo. Para isso, devemos ir atrás do que é possível e nos adaptar ao que não depende de nós.
Quer ser feliz? Pare de pensar apenas no lado negativo das coisas. Busque o equilíbrio. Viva o melhor que pode com a vida que você tem e não desista da sua evolução.
Paz e luz!
Sandro Mattos

quarta-feira, 6 de abril de 2022

Não caia em desânimo

 Eu, você, todos nós somos passíveis de infortúnios, porém, o tempo passa e aquele que se deixa cair pelo desânimo é exatamente o mesmo que amanhã se colocará como vítima ou como coitado. Todos temos altos e baixos e só duas coisas podem transformar o que está ruim em algo bom: a fé e a atitude.

Depende de cada um de nós buscar essa transformação e alimentar essa fé.
Paz, luz, saúde e prosperidade!
Sandro Mattos
Nenhuma descrição de foto disponível.


quinta-feira, 17 de junho de 2021

Alfabetização financeira no Brasil e no mundo

 

















Este infográfico demonstrado pela Investidores Brasil mostra que temos, em nosso país, 35% das pessoas educadas financeiramente. 

Vou ser sincero ao citar que os números me surpreenderam, pois imaginava que o índice fosse muito pior, porém, o mapa mostra que é evidente que se trata de um problema mundial.

A educação financeira é importante para a vida das pessoas e para o crescimento do país. Note que os países com as porcentagens mais altas, são, também, os que possuem os melhores resultados do PIB no planeta. 

Infelizmente a ideia de levar esse conhecimento a todos ainda é tratada de forma muito lenta no Brasil. 

A escola básica, que poderia ser o caminho para a formação de gerações mais preparadas neste assunto, ainda não está aplicando os conceitos como deveria. Há anos escuto que as escolas deveriam ensinar conceitos de educação financeira para as crianças, mas, na prática, isso acontece só em algumas escolas privadas ou ainda escolas públicas que são abraçadas por alguma organização ou instituição da sociedade. 

O mercado usa o nome da educação financeira para vender o sonho do dinheiro fácil, e pra piorar, muitos que poderiam usar seu conhecimento para ensinar as pessoas a buscarem primeiro uma vida mais equilibrada, para, só depois passarem a se tornar investidores, entraram nesta mesma onda do "eu sou rico, você também pode ser". 

A ideia não é ruim, pelo contrário, mas é uma opção ilusória quando olhada a curto prazo por aquele está cheio de problemas financeiros, e esta é a situação de boa parte dos brasileiros: "sair do buraco" urgentemente, pois há anos os números que apresentam mais de 60 milhões de inadimplentes no nosso país não caem. 

Vamos estudar pessoal. 

Existe uma quantidade enorme de material aqui no nosso blog, no nosso canal do youtube, nas páginas, sites e perfis de diversos colegas de caminhada dentro da educação financeira. Pode aprender com todo mundo, não tem problema. O importante é você estudar, ter uma orientação, uma direção que te ajude a buscar seus sonhos sem ter complicações lá na frente. 

Todo mundo pode chegar onde quiser, porém, para isso, é preciso dar o primeiro passo e caminhar, com segurança, sem mágica, sem milagres, mas sim, com os pés no chão e dedicação.

Boa sorte!

Paz, luz, saúde e prosperidade a todos! 

Sandro Mattos

Educador e Terapeuta Financeiro 

terça-feira, 15 de junho de 2021

Programa de Parcelamento do IPVA e ICMS - SP

A partir de hoje, 15/06/2021 os contribuintes com débitos de IPVA e ICMS poderão entrar no programa criado pelo Governo do Estado de São Paulo que permite o parcelamento da dívida em até 60 vezes e descontos de até 40%. 

A meta é beneficiar cerca de 1 milhão e 600 mil inadimplentes entre pessoas físicas e pessoas jurídicas (empresas) de pequeno e médio portes, levando aos cofres públicos cerca de 4,5 bilhões em tributos atrasados.

Está devendo IPVA ou ICMS? 

Se estiver, dê uma olhada para ver se você ou sua empresa se enquadra nas regras: https://www.dividaativa.pge.sp.gov.br/transacao/pages/home/home.jsf

Em caso de dúvida, consulte um contador ou outro profissional da área de controladoria ou financeiro. 

Boa sorte!

Sandro Mattos

Gestor e educador financeiro

Conheça nosso canal do youtube

https://youtube.com/prosperidadepessoalefinanceira/ 


quarta-feira, 26 de maio de 2021

Semeando ideias - 26.05.2021


 

Quase cinco meses do ano vão para o Governo


Não sei se você sabe, mas quase cinco meses do seu trabalho vão para o Governo na forma de impostos e tributos. Pra ser mais exato, de acordo com a pesquisa feita pelo IBPT - Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação, um brasileiro que ganha o salário médio de R$ 1.380,00 precisa trabalhar 149 dias, ou 4 meses e 29 dias para dar conta dessa carga tributária.

Esse é um problema antigo, não é de hoje que os brasileiros sofrem com isso. De acordo com o próprio IBPT, em 1990 eram precisos 109 dias, em 2000 foi para 121 e em 2010 já era preciso 148 dias do seu trabalho apenas para pagar impostos. 

O grande problema é que a população não percebe que isso acontece, porque só lembra daquilo que ela precisa pagar através de guias e boletos, como IPVA, IPTU ou do que é descontado no salário como o IRPF, porém, não podemos esquecer os impostos inseridos nos produtos comprados, que impactam diretamente no valor pago.

Quase 41% da nossa renda é comprometida e desses, quase 23% é sobre consumo. 

Infelizmente não existe uma ação popular mais forte a respeito do assunto. E os governantes vão empurrando com  a barriga.

Vamos ficar de olho pessoal, afinal, se pobre e rico pagam impostos diferentes em relação aos seus rendimentos mensais, o mesmo não podemos falar sobre o imposto inserido no preço do pãozinho, da farinha, do feijão, da energia elétrica e de outras despesas básicas.

Se liga! 

Sandro Mattos - Educador Financeiro